A enxurrada de informações das mídias faladas, escritas e virtuais, nos deixa cada vez mais perto de verdades, mentiras, mitos e intrigas ditadas pelo mundo moderno.

É assim, pelo menos ao se pensar em moda, corpo, beleza e por fim, saúde.

" /> A enxurrada de informações das mídias faladas, escritas e virtuais, nos deixa cada vez mais perto de verdades, mentiras, mitos e intrigas ditadas pelo mundo moderno.

É assim, pelo menos ao se pensar em moda, corpo, beleza e por fim, saúde.

" />
Por quê queremos ou buscamos emagrecer

Por quê queremos ou buscamos emagrecer

29/05/2016

A enxurrada de informações das mídias faladas, escritas e virtuais, nos deixa cada vez mais perto de verdades, mentiras, mitos e intrigas ditadas pelo mundo moderno.

É assim, pelo menos ao se pensar em moda, corpo, beleza e por fim, saúde. Os apelos para que nos enquadremos na moda ditada pela mídia, nos faz querer e desejar além dos produtos propagandeados, os corpos e a beleza dos modelos que vestem tais ofertas.

As mulheres, podemos dizer, são as mais cobradas de tais padrões: é necessário vestir o que os artistas estão vestindo, ter as medidas corporais que os artistas tem, usar os cosméticos que eles usam. Porém, na busca por este enquadramento, muitas vezes apelamos para medidas radicais que levam embora nossa saúde.

De fato, o mundo vem sofrendo uma transformação epidemiológica quanto a obesidade. O corre corre do dia a dia, nos exige que façamos refeições rápidas e monótonas,usemos carro, ônibus, escada rolante, elevador, mandemos uma mensagem de celular ao invés de visitar o vizinho ou o familiar que está no quarto ao lado, tudo para economizar tempo (E TAMBÉM CALORIAS).

A era das misses se foi, veio a era das modelos. Não mais se deseja ter um corpo cheio de curvas como o das misses, mas sim um corpo esquelético como o das modelos e atrizes, e em contrapartida a comida que encontramos na nossa geladeira, no restaurante da esquina ou na bolsa, só nos garante ter o corpo “elefantizado”.

Para diminuir esta disparidade, revistas, sites, blogs publicam todos os dias dicas,receitas, cardápios milagrosos para ajudar alcançar o objetivo idealizado. E nesta “boa intenção” da mídia em ajudar, acabam aparecendo os erros de interpretação das informações ou o descontrole no seguimento destas “boas dicas”.

Muito se sabe de pessoas que já fizeram mil e uma dietas, e ainda sim não conseguiram resultados, ou se conseguiram, foi por um período breve de tempo.

Mas então, dieta não resolve?

O que é dieta?

Em nossa cultura, a palavra DIETA está muito associada à restrição, regime, algo imposto ou prescrito por alguém, que nos LIMITA ou PRIVA de alguns prazeres. Este sentido de estar submetido a algo restritivo e desconfortável, nos faz encarar a dieta alimentar, como algo transitório e que, tão logo nosso objetivo seja alcançado, poderemos descartar.

A palavra dieta vem do grego “diaita”, que significa “gênero de vida”. E é desta forma que a dieta precisa ser encarada: algo que deve ser incorporado ao nosso estilo de vida, uma mudança de hábitos definitiva, sem que a pessoa perca o prazer de comer.

A dieta da mesmice

As dietas da moda, tem exatamente a característica errônea da limitação. São restrições que têm data e hora para iniciar e terminar. Por isso, a maioria delas tem efeito rápido e pouco duradouro.

As dietas restringem grupos de alimentos (carboidratos, vegetais ou frutas, laticínios,proteínas, e assim por diante), e esta restrição aguda faz com que a montagem de cardápios e pratos fique pouco atrativo, e também, aos poucos, caia na rotina. Por isso dizemos que são dietas da mesmice. São cardápios que se seguem dia após dia com os mesmos ingredientes. Isso faz com que o indivíduo se canse e abandone a “dieta”.

Neste abandono, o desequilíbrio emocional causado por tantas restrições, faz com que o indivíduo, diante do seu “pequeno sucesso” de perda de peso acredite que pode“extrapolar” nas guloseimas.

Começa uma guerra com o próprio corpo, bem conhecida como “EFEITO SANFONA”. Um engorda e emagrece que não tem fim, e faz com que o metabolismo fique “bagunçado” e perca sua eficiência.

PARA LEVAR PARA CASA:

Ao acordar:

Chá verde (infusão) sem açúcar e banana com canela e aveia em flocos

No meio da manhã:

1 maçã com casca ou 1 poncã

Almoço:

Saladas verdes à vontade, 5 colheres (sopa) de legumes refogados ou feitos como salada, feijão (temperado com alho, cebola e louro), arroz integral ou mandioca cozida, carne cozida ou grelhada ou assada. Sobremesa: laranja

Lanche da tarde:

1 xícara de chá de hortelã sem açúcar, 1 fatia grossa de mamão com 1 colher (sopa) de amendoim torrado e quebrado

Lanche da noite/Jantar:

Sopa de legumes com músculo bovino ou peito de frango e batata. (não usar macarrão e nem arroz).

Antes de se deitar:

1 copo de iogurte natural desnatado OU 1 copo de leite fermentado (tipo Yacult)

 





Voltar